Espectrum Filme

"Hello there!! This is another school project me and my (kuro) friend made. It was inspired in the old surreal films like "un chien andalou" and also in a poem by Gutto Carrer Lima."

Inês Calafate / Inês Oliveira





Encontrei o filme "Espectrum" totalmente por acaso, em janeiro de 2018. Assisti sem ler antes o descritivo, atraído por sua linguagem surrealista e estilo de produção. Adorei o filme, a trilha, e tendo me identificado muito com o roteiro, no final tive uma grande e agradável surpresa. É maravilhosa a sincronicidade do Universo. Embora o filme tenha sido feito três anos antes, ele espelha alguns aspectos de meu livro Desapego ©, escrito entre jan/2016 e jul/2017, relacionados à Luz & Sombras, vida interrompida, desconstrução, dualidade, ponto de restauração, resgate, cautela e proatividade, autoconhecimento, máscaras, conexões, continuidade do Tempo e mais, o que muito me impressionou. Considero o filme um grande presente para quem o assiste. Gratidão!


– Gutto Carrer Lima


ANÁLISE DO FILME ESPECTRUM
por Gutto Carrer Lima


A cena inicial mostra um personagem de camisa branca usando máscara, olhando outro de frente. Este personagem é "você", o outro é o seu reflexo (é um espelho). 


Na segunda cena um caminho bifurcado sugere a possibilidade de escolhas, e marca a separação dos opostos em dualidade, representados pelas duas garotas, uma de roupa branca e outra de roupa preta. 

"Você" percebe as garotas passando ao fundo por entre as ávores, embora não as identifique com clareza. Elas são sua consciência e seu inconsciente, e representam também a dualidade luz & sombra.

Na cena seguinte, as garotas brincam alegres correndo despreocupadas, mostrando inocência no agir, pois não vêem maldade ou perigo – o lugar lembra também um labirinto –. A consciência (ou pode ser a luz ou coragem) entra por um portal, que dá num lugar protegido. A garota de preto (sua sombra) é sequestrada por um personagem também mascarado vestido de preto. Ele também representa "você", seus medos e desejos instintivos, aqueles que você não faria por princípio.

O sequestro representa a autossabotagem. Como resultado, a consciência se sente perdida, olha para os dois lados procurando sua outra metade oposta. E vai imediatamente em sua busca. 

Enquanto isso, "você" está consumando a sabotagem, "matando" sua sombra. "Você" aparentemente consegue sumir com ela, mas, como toda sombra, ela nunca desaparece completamente, pois deixa um vestígio (o lenço preto que a consciência encontra). 

Agora a consciência quer voltar no tempo, para resgatar o momento anterior ao sequestro, ou seja, quando "você" mesmo, por medo, interrompeu o andamento de sua vida, sabotando-se. A consciência gira a roda da vida para trás, provocando uma desconstrução para identificar onde está o divisor de águas e, a partir dali, corrigir o destino. 

Chegando ao ponto de restauração inicial, ou seja, de um resgate a partir do conhecimento de causa e efeito dos acontecimentos, luz & sombra estão novamente juntas e harmonizadas. Note que elas se movimentam mais devagar, com menos pressa, representando que ganharam experiência e já não são tão inocentes ou inconsequentes como antes. Cientes do risco, elas não apenas mudam a direção em que foram anteriormente, como também têm uma atitude proativa ao evitarem que "você" as veja. Isto fica claro quando elas se escondem com cautela atrás das árvores à beira do caminho. A estrada reta, onde "você" caminha de cabeça erguida entre sombras e luzes projetadas no caminho, representa a retidão e o domínio que você acredita ter sobre si mesmo. A camisa branca representa a autoimagem egoica, convencida de fazer sempre a coisa certa. 

Em diversas passagens, os personagens aparecem descendo escadas ou entrando em lugares obscuros, simbolizando o mergulho buscando o autoconhecimento.
De súbito, a consciência e o inconsciente (a luz e a sombra) sorrateiramente tiram a máscara de seu medo. Ao ver a luz, o medo fica cego e cai por terra. A sombra (ou inconsciente) se encarrega de pegar a máscara caída. Juntas, luz & sombra dirigem-se para a cena final, onde a máscara é deixada à disposição (a máscara não é destruída, porque "você" sabe que ainda precisará dela, assim como precisamos do medo – não o medo que nos trava, mas o que nos protege). O poema no fechamento traz a revelação final: a coragem de enfrentar a você mesmo, conscientemente, fez de sua sombra uma aliada para mudar a história, derrotar o medo e retomar a vida seguindo em frente.


Comentários

  1. Somos LUZ E SOMBRA o tempo todo... medos e coragens quase simultâneas... na verdade somos dicotomias prontas a se equilibrarem se assim o quisermos. Poderia fala muito mais sobre o texto e o filme, mas prefiro saborear essa produção simples, porém primorosa, provando que o que precisa ser dito muitas vezs está no interdito, deixando a cada um uma análise íntima e profunda que poucos conseguirão atingir, mas aqueles que se sentem tocados já vale por todos os outros que deixam as linguagens sutis passarem despercebidas...

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Obrigado por comentar! Visite também o site www.desapegolivro.com

SOBRE ESTE BLOG:

Este é um espaço destinado às frases, crônicas, poemas e historinhas que não entraram no livro e a novos textos do autor. Escolha o tema pelo Marcador:

Postagens mais visitadas deste blog

Amor por nossos amigos materiais

A que propósito atende DesapEGO - O Livro?

Buscar ou esperar o encontro?

SIGA ESTE BLOG POR E-MAIL: