Postagens

Mostrando postagens de Maio, 2018

Meu modo de escrever

Imagem
Espontaneamente, não me aproprio de linguagem culta ao escrever; uso e abuso de clichês populares dos quais extraio sabedoria implícita, ou os utilizo como recursos de tradução exemplificativa daquilo que quero dizer. Na simplicidade, escrevo melhor do que falo, e isso se deve, em parte, à minha timidez para falar em público e, evidentemente, ao tempo que a escrita proporciona para a busca das palavras certas e de sinônimos que evitam a redundância quando a expressão de uma ideia pede por ser enfatizada. Das pesquisas por palavras adequadas, acabo por conhecer outras que passam a surgir em meio ao texto, às vezes surpreendentes devido ao seu uso incomum, de súbito e definitivamente adotadas como toda novidade que fascina. Não pretendo, com elas, o exibicionismo, nem tão pouco o eruditismo que não tenho, ao ponto de substituí-las quando elas saltam em discrepância com o conjunto do texto. O que importa é ser compreendido, dialogando com a inteligência do leitor e apostando na sua sens…

Estética

Imagem
O mundo das aparências é um mundo de estética, no entanto, a estética não está apenas nas superfícies; está também nos conteúdos, nos conceitos e preconceitos. É a estética que determina se uma pessoa, sua aparência, seus gostos, ideias, intelecto, poder de compra etc, são chiques ou bregas. Um mundo dividido no qual as partes se excluem e se subdividem, porque também no chique há o brega, e no brega há o chique. A maturidade deveria dirimir os preconceitos, mas muitas vezes até os aumentam, como resultado da necessidade de um sentimento ilusório de superioridade enquanto seres sociais que somos. É fato que as diferenças de capacitação existem, independentemente de sorte, esforço e oportunidades, mas o resultado delas continua sendo estético, oriundo da comparação e, sobretudo, da vaidade. Talvez a estética seja necessária para determinar a cada um o seu lugar, quando o lugar de cada um é imprescindível para construir os lugares nos quais cada grupo se sinta confortável. Porém, há gr…

Simulacro

Imagem
Num futuro não muito distante, quando tivermos toda sorte de chips implantados em nossos corpos e não mais enxergarmos com nossas córneas, e sim através de lentes leitoras de realidade virtual, ninguém mais se preocupará com a própria aparência física. Compraremos "corpos virtuais", que serão a imagem com a qual nossa identidade física será representada para todas as demais pessoas e inclusive para nós mesmos. Veremos e seremos vistos com a aparência que escolhermos ter. Não teremos realizado a ideia idiota de imortalidade ainda, mas a juventude permanente terá sido alcançada. Todos parecerão sempre jovens, bonitos e 'sarados', embora as carcaças corpóreas verdadeiras, invisíveis às lentes tecnológicas, não corresponderão às representações visuais adotadas. Quanto mais bonita a imagem, mais cara ela será. Nossas identidades físicas, assinaturas, impressões digitais e números de documentos não serão mais relevantes, porque ninguém escapará da leitura de DNA feita por…

Bobo fingido

Imagem
O 'pulo do gato' do bobo fingido está em não fazer questão nenhuma de mostrar quando conseguiu o que queria. Sua não-intenção é fingida, mas de bobo não tem nada. Dos cínicos, é o mais seguro do que faz, porque não se sente humilhado perante o soberbo que pensa tê-lo subjugado, quando este, sem perceber, foi invisivelmente chacoteado pelo bobo.

– Gutto Carrer Lima




Tarde para começar, cedo para parar

Imagem
Para voltar a vibrar com o futuro desconhecendo as probabilidades de sucesso, tanto quanto de fracasso, devo considerar com relevância a minha idade atual; esta que me diz ser tarde para começar, porém, cedo para parar. Devo tirar proveito do homem que me tornei, sem que conscientemente o idealizasse. Com fé e razão, sem fantasia, talvez não haja tempo para investir no homem que ainda precisaria de décadas para conquistar a autorização social de ser. Tudo o que vivi me preparou para este momento: o direito de ser e desfrutar-me. O futuro, por sua incerteza, dispensa o preparo e liberta o presente de trabalhar pelo que virá, em vez de fazer por si. O futuro não existe como lugar real, portanto, tanto faz. Importa sim, a realização possível implícita em si mesma. Isto é arte, porque é vida espontânea.

– Gutto Carrer Lima




Os Três Pedidos

Imagem
Aos nove anos de idade, Ângelo era um menino questionador e sonhador. Questionava seus sonhos, e sonhava com o que lhe intrigava. Confundia-lhe os dias, o fato de nem sempre distinguir o que era sonho e realidade. Às vezes desejava que o sonho se realizasse, outras queria que a realidade fosse sonho, de modo que o sonho não precisasse dar-se o trabalho de se realizar, pois realidade já seria. Numa noite de sábado, Ângelo assistiu duas vezes seguidas o filme de animação em VHS que contava a história do gênio da lâmpada. Somente nas noites de sábado era permitido assistir TV até tarde, pois não precisaria acordar cedo para ir à escola no dia seguinte. Com o controle remoto do vídeo-cassete na mão, Ângelo adormeceu deitado em sua cama, antes do filme acabar. Ele já sabia o final, porém a história continuou diferente em seu sonho. Agora era ele mesmo quem encontrava o gênio! Como todo gênio que se preze, este se apresentou a Ângelo com a célebre saudação:

— Salve, meu amo! Lisonjeado sou…

SOBRE ESTE BLOG:

Este é um espaço destinado às frases, crônicas, poemas e historinhas que não entraram no livro e a novos textos do autor. Escolha o tema pelo Marcador:

SIGA ESTE BLOG POR E-MAIL: