RAZÃO SOCIAL

É uma reação muito natural “brochar” com o trabalho em alguns momentos, quando não se consegue o retorno financeiro satisfatório trabalhando no que se gosta. Para o empreendedor em fases difíceis que se prolongam, “a vassoura do vizinho parece varrer melhor” e “sua grama aparenta ser mais verde”.

Geralmente se conhece o NOME de uma empresa, sua marca, não a sua RAZÃO SOCIAL. Isto me faz pensar: — Qual a “razão de existir” de uma empresa? No que ela é útil para a sociedade?

Para quem existe apenas visando o lucro, esta razão é: “Ganhar Dinheiro Ltda.”, de preferência, sem limites. Pouco importará o que se faz, desde que se encha os bolsos.

Para quem idealiza além da grana (ou valoriza o que está antes dela), não é fácil manter a perseverança, principalmente quando passa a se perguntar: — No que a sociedade está sendo útil para mim?

Não há boa vontade que resista à falta de colaboração mútua. Somos um emaranhado de redes interdependentes. Precisamos que comprem de nós, para podermos comprar também, seja um produto ou serviço.

Estamos vivendo a era do “faça você mesmo”. Tem de tudo na internet, grátis, oferecido em troca de seu nome e endereço de email. Porém, apesar das facilidades do TUDO PRONTO e de uma ilusória autossuficiência, listas de e-mails não pagam contas. É preciso trabalhar muito com elas (e saber fazer isso).

Não se iluda. O comércio on-line não é mágico. É mais fácil alguém ver uma fachada passando em frente a uma loja de rua de comércio local, num bom ponto comercial, do que ser visto por um possível cliente na internet, entre milhares ou milhões de concorrentes.

A nova principal razão social desta era é: “Ser visto na internet S.A.”
A outra é: não perder a razão essencial.

Há ainda outras questões: que as pessoas sintam e tenham segurança para andarem nas ruas e encontrarem-se com lojas; que elas tenham dinheiro para comprar; que ao frequentarem shoppings, seja mais que um passeio restrito à praça de alimentação.

Se por um lado a futilidade do consumismo fútil precisaria ser contida pelas necessidades da sustentabilidade, por outro a falta de recursos o faz automaticamente, contendo e reprimindo a demanda. Seja no comércio eletrônico ou nas lojas físicas, a razão de consumir se adapta para ser racional, considerando que comprar e vender é, sobretudo, uma razão fundamental e social.


– Gutto Carrer Lima




Comentários

SOBRE ESTE BLOG:

Este é um espaço destinado às frases, crônicas, poemas e historinhas que não entraram no livro e a novos textos do autor. Escolha o tema pelo Marcador:

Postagens mais visitadas deste blog

A que propósito atende DesapEGO - O Livro?

Dor: o princípio da Vida

Não é depressão, é desilusão

SIGA ESTE BLOG POR E-MAIL: